Pacheco confia articulação a Alcolumbre e divide senadores

Reservado, atual presidente concentra esforços em apoios formais; senador do PL aposta em defecções e prospecção ativa

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e seu principal adversário na busca pela reeleição, o senador eleito Rogério Marinho (PL-RN), adotam estratégias diferentes na disputa pelo comando da Casa.

Enquanto o atual chefe do Legislativo confia no trabalho pregresso e entrega a articulação ao aliado Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), o ex-ministro visita seus pares há semanas. Não sai da ponte aérea.

A 8 dias para a eleição da Mesa Diretora do Senado, aliados de Pacheco defendem uma postura mais prospectora do candidato. Na 2ª feira (23.jan), o PDT declarou apoio formal a ele, e há a expectativa de que novas siglas façam o mesmo durante a semana. Mas o voto é secreto. Não necessariamente os senadores seguirão o que pedem os partidos.

Marinho já visitou mais de 60 senadores. Na última 2ª feira (23.jan), foi pessoalmente a gabinetes de colegas em Brasília. Nesta 3ª feira (24.jan), está em Sergipe. Deve seguir nessa toada até o dia 1º de fevereiro, quando tomam posse os novos senadores e o conjunto da Casa elege seu presidente para os próximos 2 anos.

O Poder360 apurou que o excesso de protagonismo de Davi Alcolumbre tem desagradado a alas do Senado. Há queixas sobre atropelos na negociação de espaços na mesa e nas comissões. Sobra espaço para ressentimentos.

Alcolumbre pretende ser reconduzido ao comando da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e voltar à presidência da Casa em 2025. Esse movimento não é consenso nos partidos ligados a Pacheco.

CORRIDA POR CARGOS

Além da disputa pelo cargo mais alto do Legislativo, senadores discutem nos últimos dias antes da eleição a distribuição de cargos na Mesa Diretora e em comissões importantes.

Ao menos 3 senadores pleiteiam a 1ª vice-presidência: o atual ocupante do cargo, Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), Humberto Costa (PT-PE), Eliziane Gama (Cidadania-MA). O favorito é o emedebista.

PACHECO X MARINHO

A disputa pela presidência do Senado deverá contar com duas candidaturas: a de Rodrigo Pacheco e a do senador eleito Rogério Marinho. (PL-RN). Em entrevista ao Poder360, Marinho disse que, se chegar à presidência da Casa, não fará “oposição cega” a Lula. Se perder, disse esperar do principal adversário espaço proporcional para o PL na Mesa Diretora e em comissões. 

Se todos os senadores de PP, Republicanos e PL (com 2 novos filiados que a sigla ainda pretende anunciar) votarem em Marinho, ele terá 25 votos. São necessários ao menos 41 para a vitória. Por ora, Pacheco é favorito.

Marinho defendeu desengavetar uma das PECs que reduzem a maioridade penal e dar andamento ao projeto que flexibiliza regras para agrotóxicos –chamado por críticos de “PL do Veneno”. Depois de aprovado pela CRA, travou.

Se reeleito, Pacheco priorizará projetos do pacote econômico do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e medidas relacionadas à punição e prevenção de atos extremistas contra as instituições –como os registrados no 8 de Janeiro.

Segundo o Poder360 apurou, se Pacheco conquistar a reeleição, não atenderá a reivindicação de seu principal oponente, o senador eleito e ex-ministro do Desenvolvimento Regional Rogério Marinho (PL-RN), para dar espaço proporcional à sigla.

Na projeção atual para o início da próxima legislatura, em 1º de fevereiro, a bancada do partido do ex-presidente Jair Bolsonaro deverá ser a maior do Senado, empatada com a do PSD. Ambas devem começar o ano legislativo com 13 integrantes.

Na sequência, vêm o MDB e o União Brasil, empatados com 10 senadores, e o PT, com 9.

À exceção de o PL ficar escanteado, a negociação do grupo de Pacheco em torno de cargos na Mesa Diretora –composta por presidente, 1º e 2º vice-presidentes e 1º, 2º, 3º e 4º secretários– não prenuncia mudanças substanciais em relação ao espaço que cada partido tem hoje.

Pacheco foi eleito presidente do Senado em fevereiro de 2021 quando ainda estava no DEM –partido extinto depois da fusão com o PSL que criou o União Brasil.

Eis a distribuição atual dos cargos da mesa diretora: