Mais de 1.000 Yanomamis são resgatados em estado grave

Ministério da Saúde iniciou a construção de hospital de campanha em Boa Vista (RR) para auxiliar população indígena

O secretário do Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), Weibe Tapeba, disse nesta 3ª feira (24.jan.2023) que mais de 1.000 indígenas foram resgatados nos últimos dias em território Yanomami, em Roraima. Segundo o secretário, os principais problemas de saúde identificados são desnutrição e malária.

Durante entrevista a jornalistas, Tapeba informou que o governo está trabalhando em conjunto com as Forças Armadas para a construção de um hospital de campanha em Boa Vista, capital do Estado. O Governo Federal ainda avalia a construção de mais um centro de atendimento emergencial dentro do território indígena Yanomami, localizado na região Surucucu (RR).

“O cenário que encontramos é de guerra […] Hoje, nós estamos implantando um hospital de campanha aqui em Boa Vista para resolvermos o problema de assistência dos indígenas que estão alojados na Casa de Apoio e também dando assistência aos indígenas que estão chegando”, declarou o secretário.  

Atualmente, mais de 700 pacientes estão recebendo atendimento na Casai (Casa de Apoio à Saúde Indígena) de Boa Vista.

Segundo Tapeba, o principal problema identificado no território é a presença dos garimpeiros que têm invadido o território indígena. 

“Nesse momento de emergência nós estamos focados em salvar vidas e a nossa intenção é que, a médio e longo prazo, consigamos resolver a remoção dos mais de 20.000 garimpeiros que existem dentro do território Yanomami”, afirmou.

Na 3ª feira (24.jan), A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, disse que a PF (Polícia Federal) e o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) vão retirar garimpeiros do Território Indígena Yanomami com o auxílio do Ministério da Defesa.

“O garimpo ilegal é a raiz de toda essa situação porque leva a contaminação de mercúrio para as águas que eles [indígenas da etnia yanomami] bebem, insegurança para dentro do território”, disse a ministra em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo.

O MPF (Ministério Público Federal) publicou na 2ª feira (23.jan), uma nota declarando que a tragédia vivida pelo povo Yanomami é resultado da omissão do Estado brasileiro. Eis a íntegra da nota (85 KB).

ENTENDA

O Ministério da Saúde declarou emergência de saúde pública no território Yanomami. A área sofre com desassistência sanitária e enfrenta casos de desnutrição severa e de malária. A portaria foi publicada na 6ª feira (20.jan.2023) em edição extra do DOU (Diário Oficial da União). Eis a íntegra (69 KB).

Na mesma edição do DOU, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criou um comitê para enfrentar a situação sanitária em território Yanomami. O chefe do Executivo visitou a região no sábado (21.jan).

Em visita a Boa Vista (RR), Lula anunciou medidas emergenciais para enfrentar a crise sanitária da etnia. Médicos e enfermeiros da força nacional do SUS começaram a reforçar o atendimento aos indígenas a partir desta 2ª feira (23.jan).

Na ocasião, o petista afirmou que o grupo é tratado de forma “desumana” em Roraima. “Tive acesso a umas fotos nesta semana. Efetivamente me abalaram porque a gente não pode entender como o país que tem as condições do Brasil deixar indígenas abandonados como estão aqui”, declarou Lula.

Lula também criticou o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e afirmou que “se ao invés de fazer tanta motociata, ele [Bolsonaro] tivesse vergonha na cara e viesse aqui uma vez, quem sabe povo não estivesse tão abandonado”.

No domingo (22.jan), os deputados do PT acionaram o MPF (Ministério Público Federal) para pedir a instauração de uma investigação criminal para apurar a atuação das autoridades do governo Bolsonaro no território. O documento é uma representação criminal pela desassistência sanitária e desnutrição severa da população.

A senadora diplomada Damares Alves, ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Franklimberg Ribeiro de Freitas e Marcelo Augusto Xavier da Silva, ex-presidentes da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas), também são alvos da petição. Eis a íntegra do documento (269 KB).

Além disso, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB-MA), determinou nesta 2ª feira (23.jan.2023) que a PF (Polícia Federal) investigue a suposta prática de crimes de genocídio, omissão de socorro e de crime ambiental contra o povo indígena Yanomami, em Roraima.